Notícias

Servidores da maternidade Moura Tapajóz recebem atendimento psicossocial

Com o objetivo de prestar suporte emocional aos seus servidores, a maternidade Dr. Moura Tapajóz, da Prefeitura de Manaus, por meio do Setor de Recursos Humanos, iniciou oficialmente neste mês de abril as atividades do Serviço de Atenção Psicossocial da unidade. Neste primeiro momento, a equipe, composta por uma profissional da área de Psicologia e uma profissional da área de Serviço Social, está focando especialmente na situação psicológica de seus servidores e colaboradores em razão da pandemia por Covid-19.

 

Servidores da maternidade Moura Tapajóz recebem atendimento psicossocial

“No último ano, muitos de nossos servidores foram afetados diretamente pela pandemia, tanto adoecendo quanto perdendo colegas de trabalho, parentes e amigos. Por isso, vimos a necessidade de oferecer um apoio especializado, que garanta o acompanhamento emocional principalmente para os servidores que perderam familiares próximos e estão vivenciando o luto”, esclareceu Núbia Cruz, diretora da maternidade.

 

Nesta sexta-feira, 23/4, o serviço, que é disponibilizado tanto de forma presencial quanto remota, iniciou uma série de vivências práticas, abordando o tema “Como lidar com estresse e ansiedade em tempos de pandemia”. De acordo com a psicóloga do Serviço de Atenção Psicossocial, Raquel Floriano, os profissionais de saúde foram os mais atingidos pelo pacto de estresse e ansiedade gerado pela pandemia, com sobrecarga de trabalho, angústia, medo e muitas perdas. “Por isso, é muito importante pensarmos na qualidade de vida desses trabalhadores. Não podemos focar apenas na saúde física, pois a saúde mental também é essencial para o nosso equilíbrio”, explicou.

 

Ainda segundo Raquel Floriano, também em razão da pandemia, as estatísticas de transtornos mentais aumentaram muito no último ano, principalmente de ansiedade. “Todos nós em algum momento sentimos ansiedade e isso é normal. A ansiedade muitas vezes nos motiva, nos garante segurança. Precisamos avaliar quando a ansiedade passa de um sentimento natural para um sentimento que nos faz mal, nos limita e que interfere nas atividades cotidianas de nossa vida. E é sobre isso que vamos trocar ideias nessa primeira vivência prática”, observou.

 

A diretora Núbia Cruz também destacou que os trabalhadores de saúde têm sido incansáveis durante essa pandemia, noite e dia se dedicando ao próximo e, muitas vezes, sendo obrigados a se afastar da própria família por segurança. “Então, precisamos sim buscar o bem-estar dessas pessoas. Precisamos nos fortalecer. Por isso, espero que todos os nossos servidores que estejam passando por um momento difícil, busquem esse acolhimento, para assim enfrentarmos juntos esse período tão difícil”, concluiu.

— — —

Texto – Marcella Normando / Semsa

Fotos – Divulgação / Semsa

 

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse