Notícias

Prefeitura de Manaus promove ação educativa sobre hanseníase e saúde mental

Como parte da programação das campanhas do “Janeiro Roxo”, de prevenção e controle da hanseníase, e do “Janeiro Branco”, de reflexão sobre saúde mental, a Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), promoveu, nesta sexta-feira, 7/1, ação de Educação em Saúde no bairro Jorge Teixeira, zona Leste.

 

 

 

 

A programação aconteceu na Igreja Santa Clara, na avenida Mirra, s/nº, e foi coordenada pela Unidade Básica de Saúde (UBS) Avelino Pereira, com o apoio do Distrito de Saúde (Disa) Leste e a participação dos grupos de idosos “Unidos em Cristo” e “Santuário de Vidas Ativas”.

 

Segundo a técnica de enfermagem Graziela Moura, que atua na UBS Avelino Pereira, o envolvimento dos grupos de idosos nas ações do “Janeiro Roxo” ocorre há três anos, para alertar população sobre os sintomas da hanseníase e a importância de procurar um serviço de saúde para o diagnóstico precoce.

 

“É uma forma de chamar a atenção daquela pessoa que tem uma mancha suspeita de hanseníase, para que procure uma UBS. E os idosos ajudam a conscientizar a família e a comunidade sobre os sintomas da hanseníase, que a doença tem tratamento e cura, incentivando a procurar a UBS para uma avaliação de saúde”, explicou Graziela Moura.

 

Para a coordenadora do grupo de idosos “Santuário de Vidas Ativas”, Maria Áurea da Costa, a ação de conscientização é importante na multiplicação das informações sobre a hanseníase para a população. “Muitas pessoas ainda desconhecem a hanseníase, pensam que é uma doença incurável. Então, é importante divulgar que tem tratamento, tem cura, que não devemos ter preconceito e que temos mais é que acolher a pessoa que tem hanseníase, incentivar e tratar com carinho”, afirmou Áurea Costa.

 

Durante a ação, a gerente do Disa Leste, Rosângela Castro, destacou que todas as unidades de saúde e equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) estão atuando nas ações do “Janeiro Roxo”. “O trabalho de controle da hanseníase é realizado o ano todo, mas em janeiro é feita uma intensificação, com reforço nas ações de educação em saúde e busca ativa de casos suspeitos. As UBSs ainda realizam o diagnóstico da doença, com acompanhamento e tratamento dos pacientes, e a dispensação dos medicamentos”, afirmou a gerente.

 

Janeiro Branco

 

A programação na Igreja Santa Clara destacou ainda as ações do “Janeiro Branco”, que os Distritos de Saúde e UBSs da rede municipal estão executando este mês, para o cuidado em saúde mental dos trabalhadores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

“O objetivo do ‘Janeiro Branco’ é abordar a saúde mental, a qualidade de vida e a saúde do trabalhador como um todo. O Disa Leste, representado pelas Unidades de Saúde, está desenvolvendo diversas ações este mês, como rodas de conversa para falar sobre o cuidado que cada pessoa deve ter com ela mesma e com o outro, no que se refere à saúde mental”, afirmou a assistente social e responsável, em exercício, pela área técnica de Saúde Mental no Disa Leste, Fabíola Antunes.

 

O Disa Norte também realizou, nesta sexta-feira, programação em alusão ao “Janeiro Branco”, direcionada para os servidores, destacando a importância de ações preventivas na manutenção da saúde mental, principalmente durante a pandemia da Covid-19.

 

“Nesse período de pandemia, os nossos servidores e a população em geral estão sendo muito pressionados, desenvolvendo depressão, ansiedade e outras patologias. O autocuidado é essencial, assim como as ações preventivas com cuidados básicos como alimentação saudável, atividade física, uma leitura agradável e ter uma boa noite de sono. Mas se a pessoa já apresenta algum sintoma, deve procurar uma unidade de saúde para receber as orientações necessárias. É fundamental procurar ajuda o mais rápido possível”, alertou a enfermeira Cláudia Nascimento, responsável pela área técnica de Saúde Mental do Disa Norte.

 

Busca ativa de casos suspeitos de hanseníase

 

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) seguirá até terça-feira, 11/1, com a busca ativa de casos suspeitos de hanseníase em domicílio, iniciada dia 3/1 como parte da programação do “Janeiro Roxo”. O trabalho seria encerrado nesta sexta-feira, 7/1, mas, por causa das chuvas que interromperam o trabalho de campo, foi necessário reprogramar as visitas em domicílio.

 

Executada por Agentes Comunitários de Saúde (ACSs), a partir de entrevista dos moradores utilizando questionário elaborado pelo Ministério da Saúde, a ação vai abranger domicílios nos 12 bairros com maior incidência de hanseníase em Manaus: Colônia Antônio Aleixo, Jorge Teixeira, Cidade de Deus, Santa Etelvina, Novo Aleixo, Alvorada, Compensa, Petrópolis, Centro, Cachoeirinha, Praça 14 de Janeiro e Japiim.

 

A chefe do Núcleo de Controle da Hanseníase da Semsa, enfermeira Ingrid Simone Alves dos Santos, explicou que, após a conclusão do trabalho de campo, a próxima etapa será a avaliação dos questionários para a identificação dos casos suspeitos e encaminhamento para atendimento nas Unidades de Saúde.

 

“Dependendo do caso e com a confirmação da suspeita da hanseníase, haverá agendamento de consulta com uma equipe especializada para confirmar ou descartar o caso. No período de 19 a 21/1, 11 unidades de saúde, com médicos dermatologistas, fisioterapeutas, médicos clínicos e enfermeiros, irão atender os pacientes para definir o diagnóstico”, informa Ingrid Simone.

 

Registros

 

Em 2019, Manaus registrou 120 casos novos de hanseníase. Em 2020, foram 70 novos casos diagnosticados e em 2021 o número chegou a 100.

 

Em 2021, a taxa de abandono do tratamento ficou em 2,25%, a menor dos últimos 20 anos em Manaus. A proporção de cura foi de 93,26%, ultrapassando a meta do Ministério da Saúde, que é atingir 90% de cura entre os casos diagnosticados.

 

— — —

Texto – Eurivânia Galúcio / Semsa

Fotos – Camila Batista / Semsa

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse