Notícias

Servidores da Semmasdh recebem qualificação para melhorar atendimento a pessoas em situação de rua

Vinte e cinco profissionais, entre servidores da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), e membros de Organizações da Sociedade Civil (OSCs), participaram do primeiro dia de aula do curso Educador Social, na tarde desta terça-feira, 30/5, no Bloco D da Escola de Serviço Público Municipal e Inclusão Socioeducacional (Espi) da Prefeitura de Manaus, na Avenida Professor Nilton Lins, no bairro de Flores, zona Centro-Sul.

 

O curso é uma iniciativa da Semmasdh e idealizado pela Espi, voltado a educadores sociais do serviço especializado em abordagem social, técnicos da proteção social básica e especial e serviço de acolhimento institucional da secretaria de Assistência Social e instituições parceiras.

 

As aulas são ministradas no horário da tarde, das 14h às 17h, de segunda a sexta-feira, durante 20 dias. De acordo com o secretário da Semmasdh, Elias Emanuel, a qualificação é essencial para melhorar o atendimento e a oferta do serviço às pessoas em situação de rua da cidade de Manaus.

 

“Temos primado por buscar qualificação para nossos servidores, pois acredito ser fundamental no processo, principalmente porque a Semmasdh é a instituição municipal que mantém os profissionais que lidam com a população mais vulnerável. Temos que ter sensibilidade e qualidade no atendimento e é pela qualificação que atingimos esse grau de excelência”, afirmou.

 

De acordo com o Sistema de Registro Mensal de Atendimentos (SNAS), atualmente cerca de 170 pessoas são atendidas pelo Centro Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro Pop). No espaço são oferecidos serviços de higienização, alimentação e guarda volume, além do trabalho de reinserção destes indivíduos na sociedade.

 

Segundo a instrutora do curso, Ana Paula Angeoli, a qualificação vai abordar diversos temas, todos voltados para aliar a teoria e prática do trabalho diário.

 

”O curso está sendo dividido em três módulos. O primeiro vai abordar os direitos humanos e violência. No segundo módulo, vamos entrar diretamente nas políticas públicas, políticas sociais existentes, além do próprio papel do educador social. O terceiro módulo é a pratica propriamente dita, com construção de novas técnicas e direitos na questão da abordagem social”, explicou a instrutora.

 

Para a assistente social Mirna Vasconcelos, que atua há 16 anos com a abordagem social de pessoas que utilizam logradouros públicos como moradia, o curso servirá como extensão profissional.

 

“Na abordagem social, serviço dentro do Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas), o nosso escritório é a rua. Então nós vamos em busca do nosso público alvo, que é a população de rua, no modo geral pessoas que tiveram seus direitos violados. Logo, isso requer sempre uma qualificação, e assim, eu fico muito feliz em participar do curso”, relatou.

 

Texto: Alexsandro Machado

Fotos: Marinho Ramos

Disponíveis em: https://flic.kr/s/aHskWkFLwC

 

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh): 3215-4616

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse