Notícias

Semsa vai intensificar as ações de esclarecimento e diagnóstico da hanseníase

O combate à hanseníase vai ser intensificado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) entre os dias 30 de janeiro e 4 de fevereiro. Policlínicas municipais e Unidades Básicas de Saúde (UBSs) irão promover ações para o diagnóstico precoce e informações ampliadas sobre a doença, aproveitando a mobilização global pelo Dia Mundial de Combate à Hanseníase (último domingo de janeiro, conforme instituído pela Organização Mundial de Saúde-OMS).

 

Ao longo da próxima semana, a Semsa vai promover rodas de conversa, palestras, distribuição de panfletos e exames dermatológicos em oito unidades de saúde da rede municipal – policlínica Ana Barreto e UBS Sálvio Belota (zona Norte), UBSs Petrópolis e José Rayol (zona Sul), Amazonas Palhano (zona Leste), Policlínica Djalma Batista e UBS Leonor de Freitas (zona Oeste) e UBS Ephigenio Salles (zona Rural).

 

A programação será encerrada com uma grande mobilização no sábado, 4 de fevereiro, quando será realizado um mutirão de atendimento dermatológico na Escola Municipal Padre João D’vries, localizada no bairro Colônia Antônio Aleixo, zona Leste. O atendimento será das 8h às 12h. Na ação, que irá contar com a parceria do Movimento de Reintegração às Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) e Secretaria Municipal de Educação (Semed), serão ofertados exames de pele e consultas dermatológicas. Além disso, as equipes irão oferecer testagem rápida para HIV, sífilis e hepatite, bem como vacinação contra o HPV, para os adolescentes.

 

De acordo com o secretário municipal de saúde, Homero de Miranda Leão Neto, a realização de atividades de forma concomitante em várias unidades de saúde vai favorecer a divulgação de informações sobre a hanseníase e potencializar a busca ativa de novos casos.

 

“Infelizmente a hanseníase persiste como um grave problema de saúde pública no Brasil e todas as iniciativas que vão além das ações de rotina são importantes para chamar a atenção da população sobre sintomas, diagnóstico e tratamento desta doença”, destaca o secretário.

 

Atualmente, as 240 unidades da rede municipal de saúde, distribuídas em todas as zonas da cidade, contam com profissionais que atuam em ações educativas, acolhimento, suspeição, diagnóstico e tratamento da hanseníase.

 

Em 2016, o Amazonas registrou 418 casos novos da doença, com taxa de incidência de 10,6/100 mil habitantes. Em Manaus, foram detectados 163 casos novos (o que representou 39% do total no Estado), ficando a taxa de incidência em 7,8/100.000 habitantes. Em comparação com o ano de 2010, quando ocorreram 15 casos/100 mil habitantes, houve uma redução 48%.

 

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), no Brasil o número de casos novos de hanseníase vem diminuindo ao longo dos últimos anos, mas o país ainda é o segundo no ranking mundial (apenas atrás da Índia), com uma taxa de incidência de 14/100 mil habitantes, em 2015.

 

Sobre a doença

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa crônica, causada pelo parasita Mycobacterium leprae, conhecido também como bacilo de Hansen. A transmissão se dá quando uma pessoa doente elimina o bacilo por meio de secreções nasais, tosses ou espirros. A maioria das pessoas infectadas não manifesta a doença por ter capacidade de defesa do organismo.

 

Entre os principais sintomas da hanseníase estão manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo, com perda ou alteração de sensibilidade. Também são sintomas da hanseníase áreas de pele seca e com falta de suor e sensibilidade ou com queda de pelos (especialmente sobrancelhas); sensação de formigamento ou diminuição da sensibilidade ao calor, à dor e ao tato; dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas nos braços e pernas; inchaço de pés e mãos; diminuição da força das mãos e pés e face por inflamação dos nervos; nódulos (caroços) avermelhados e dolorosos pelo corpo; febre e dor nas juntas; sangramento, ferida e ressecamento do nariz; ressecamento dos olhos e mal estar geral, com emagrecimento.

 

Os locais onde é mais comum o surgimento das manchas de hanseníase são mãos, pés, face, costas, nádegas e pernas, mas em alguns casos a hanseníase pode ocorrer sem manchas.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa): 92 3236-8315

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse