Notícias

Prefeitura e Agência da ONU para Refugiados promovem corrida e caminhada solidária

Para estender a recepção e a solidariedade amazonense à população venezuelana e promover uma maior interação dos manauaras com refugiados e imigrantes vindos do país vizinho, a Prefeitura de Manaus e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) promovem no domingo, 9/12, a primeira “Corrida e Caminhada Manaus #ComOsRefugiados”.

04.12.18 Lançamento da corrida Manaus refugiados

O evento foi lançado pelo secretário-chefe da Casa Civil, Arthur Bisneto, e pelo representante da Acnur, Sebastian Roa, na tarde desta terça-feira, 4, na sede da prefeitura, zona Oeste da capital. Bisneto explicou que, além da população local, a atividade contará com a participação de mulheres, homens e crianças venezuelanas que, após enfrentarem difíceis e longas trajetórias de seu país natal até a capital amazonense, estão estabelecidos na cidade e reconstruindo suas vidas com segurança e dignidade.

 

“Temos várias secretarias envolvidas nesse projeto e contamos com a população amazonense para mostrarmos que, aqui, cumprimos o nosso papel de receber bem os refugiados. Manaus tem essa marca de receber bem as pessoas”, disse Bisneto.

 

A corrida e caminhada #ComOsRefugiados em Manaus tem o apoio da União Europeia que, por meio do seu Instrumento de Contribuição para a Estabilidade e a Paz (IcSP, da sigla em inglês), tem promovido diferentes ações do Acnur e do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na resposta ao fluxo de venezuelanos para o Brasil, especialmente em Roraima e Amazonas. Entre as ações estão atividades que promovem uma convivência harmoniosa entre a população venezuelana e as comunidades de acolhida.

 

“Precisamos conscientizar a população de que devemos ter um tratamento diferenciado com essas pessoas tão sofridas e que fogem de seu país, por conta de um governo inescrupuloso, que destrói suas alegrias e perspectivas de futuro”, disse o secretário da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), Dante Souza.

 

No ano passado, o prefeito Arthur Virgílio Neto recebeu do Acnur um documento de reconhecimento pelas ações desenvolvidas pela prefeitura, de acolhimento e apoio aos índios venezuelanos de etnia Warao.

 

Inscrições

 

Serão 1,5 mil vagas, sendo 200 destinadas para servidores da Prefeitura de Manaus e 100 para Pessoas Com Deficiência (PCDs). As inscrições serão abertas nesta quarta-feira, 5, a partir das 14h, no site da semjel.manaus.am.gov.br. A partir das 7h da manhã, do próximo domingo, os participantes farão o tradicional percurso de cinco quilômetros do Complexo Turístico Ponta Negra, com concentração e a largada nas proximidades do anfiteatro.

 

O subsecretário da Secretaria Municipal da Juventude, Esporte e Lazer (Semjel), Elvis Damasceno, explicou que o kit do participante, contendo camisa e número de peito, será entregue no Centro Social Urbano (CSU) do Parque 10, zona Centro-Sul, na sexta-feira, 7, das 9h às 16h. Os participantes que completarem o percurso ganharão medalhas personalizadas.

 

“A corrida também vai coletar alimentos para os venezuelanos acolhidos nos abrigos da prefeitura e da Cáritas Arquidiocesana. O kit de participantes será entregue mediante a doação de uma cesta básica, composta por 1kg de arroz, 1kg de feijão, 1 pacote 500g de macarrão, 1 pacote 400g de leite e 1 pacote 400g de café”, explicou Damasceno.

 

No local do evento serão montadas tendas para a venda de artesanato venezuelano, confeccionado por indígenas Warao e também por não-indígenas, todos residentes em Manaus. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) também fará distribuição de mudas de árvores frutíferas e ornamentais.

 

Participam também da organização do evento o Fundo Manaus Solidária e as secretarias municipais de Educação (Semed), Saúde (Semsa), Trabalho, Empreendedorismo e Inovação (Semtepi), Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semacc), Limpeza Urbana (Semulsp), Comunicação (Semcom), além dos institutos municipais de Planejamento Urbano (Implurb), de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans), a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Casa Militar, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

 

Realidade virtual

 

Durante a caminhada e corrida #ComOsRefugiados, o Acnur terá uma tenda para que o público conheça melhor a realidade de campos de refugiados. Por meio de óculos de realidade virtual (tecnologia VR), o público poderá explorar este ambiente de maneira ampla, sendo impactado de uma forma muito mais real e próxima. Será possível entender como as pessoas vivem em um campo de refugiado e como lidam, especialmente as crianças, com situações de extrema vulnerabilidade.

 

Acolhimento em Manaus 

 

Estima-se que três milhões de venezuelanos já tenham saído de seu país de origem desde 2015. No Brasil, as autoridades relatam a entrada de mais de 176 mil venezuelanos em 2017 e 2018. Aproximadamente 90 mil saíram, indicando que cerca de 85 mil permanecem no país. De acordo com a Polícia Federal, cerca de 65 mil venezuelanos já solicitaram o reconhecimento da condição de refugiado no Brasil, sendo oito mil solicitações registradas em Manaus.

 

“Os desafios são inúmeros, pois as pessoas que chegam com suas famílias precisam de atendimento, de escolas para aprender o idioma e tudo que conseguimos fazer em parceria com o município é muito importante para os refugiados”, disse o representante da Acnur, Sebastian Roa.

 

Os primeiros registros de venezuelanos em Manaus aconteceram em dezembro de 2016, com a chegada de indígenas Warao na cidade. As primeiras ações tiveram início em janeiro de 2017, com a identificação da população Warao pelos Centros de Referência Especializada de Assistência Social (Creas).

 

Em setembro de 2018, a Prefeitura de Manaus recebeu mais 180 venezuelanos não-indígenas pelo Plano de Interiorização do Governo Federal. Por meio do acolhimento, os refugiados recebem alimentação, produtos de higiene, limpeza e atendimento de equipe técnica (assistente social, psicólogo, sociólogo, saúde, educação).

 

Com a crescente chegada de venezuelanos à capital do Amazonas, tem aumentado a atuação da Prefeitura de Manaus e de organizações internacionais como o Acnur, União Europeia, UNFPA e Unicef com a proteção das famílias que buscam a cidade como refúgio. Atualmente, a prefeitura mantém três casas de acolhimento localizadas nos bairros Coroado, Alfredo Nascimento e Centro, com aproximadamente 600 pessoas.

 

 

Fotos: Alex Pazuello / Semcom

 

Disponíveis em: https://flic.kr/s/aHsmwWAwSd

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse