Notícias

Profissionais iniciam capacitação para implantar cuidado farmacêutico nas unidades de saúde do município

Farmacêuticos da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) participaram na segunda-feira, 25/9, na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), e nesta terça-feira, 26/9, na sede da Semsa, do primeiro módulo do curso ‘Cuidado Farmacêutico no SUS – Capacitação em Serviços’. A capacitação está sendo oferecida pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), após seleção nacional em que Manaus e outros nove polos foram contemplados em todo o país.

 

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, informa que o projeto irá resultar em um impacto positivo na qualidade da assistência à saúde prestada ao usuário do SUS nos municípios contemplados, além da valorização do profissional que atua no setor público. O propósito é contribuir para a capacitação de profissionais com a implantação de serviços farmacêuticos e sua consolidação no SUS.

 

A gerente de assistência farmacêutica da Semsa, Mie Muroya, disse que a Semsa inscreveu inicialmente 55 farmacêuticos. “A turma deveria ter entre 40 e 50 participantes, mas depois o Conselho Federal de Farmácia aceitou que ampliássemos esse número para 81 servidores que atuam nas Unidades Básicas de Saúde, policlínicas, CAPS, Maternidade Moura Tapajóz, Distritos e Gerências”, informou a gerente.

 

“O objetivo desse curso é fornecer os fundamentos para que os farmacêuticos conheçam, compreendam e apliquem o processo de raciocínio clínico, para aprimorar o cuidado farmacêutico no âmbito do SUS”, destacou Muroya. Entre os resultados esperados estão a harmonização dos conceitos e práticas do cuidado farmacêutico; consolidação do embasamento legal das atribuições clínicas do profissional, incluindo a prescrição farmacêutica; e desenvolvimento de competências para a tomada de decisões em situações da prática clínica e na construção de uma relação terapêutica.

 

A carga horária total será de 80h, distribuídas em cinco módulos presenciais de 16h, a cada 15 dias, sendo o último em 2018. Entre os assuntos abordados no primeiro módulo estão os serviços farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, à família e à comunidade; marcos legais; inserção da assistência farmacêutica nas redes de atenção à saúde; e a Política Nacional de Segurança do Paciente. Nos demais serão abordados os Problemas de saúde autolimitados (módulo 2), Hipertensão Arterial Sistêmica (módulo 3), Diabetes mellitus tipos 1 e 2 (módulo 4) e Fitoterápicos (módulo 5).

 

Sobre o Projeto

Para o CFF, a atuação do farmacêutico no cuidado direto ao paciente, à família e à comunidade é um desafio para o SUS. A dimensão da necessidade de acesso e utilização de recursos terapêuticos é frequentemente superior à capacidade de financiamento e provisão dos sistemas de saúde. A transição demográfica relacionada ao envelhecimento populacional brasileiro e o incremento da prevalência das condições crônicas têm, como consequências, o aumento do uso contínuo de medicamentos e o agravamento da crise do sistema de saúde.

 

Mudar a forma de promover o cuidado à saúde das pessoas e otimizar as contribuições potenciais de cada profissional desafiam a sustentabilidade dos sistemas. Dentre os problemas na farmacoterapia, 70% seriam preveníveis com a atuação clínica do farmacêutico. Apesar de ser um profissional estratégico para o sistema de saúde, normalmente o farmacêutico é subutilizado.

 

Países como Canadá, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Espanha obtiveram resultados positivos dos tratamentos com medicamentos e outras tecnologias em saúde, a partir do incentivo e ampliação da atuação clínica do farmacêutico. Nos últimos anos, observa-se um crescimento considerável de serviços clínicos implantados no Brasil, tanto no setor público como no setor privado.

 

A inserção do farmacêutico em consultórios de unidades de atenção primária em saúde, trabalhando de forma integrada à equipe, possibilita a melhoria da adesão ao tratamento e a qualificação do uso de medicamentos. Neste contexto, e considerando a necessidade de fortalecer o papel do farmacêutico nas redes de atenção à saúde, o CFF está realizando este projeto, que contempla mais de 500 farmacêuticos, sendo 74 em Minas Gerais, 81 no Amazonas (Manaus), 29 no Paraná, 40 em Roraima, 46 na Bahia, 40 no Mato Grosso, 51 em Goiás, 58 em São Paulo, 51 em Alagoas e 43 em Santa Catarina.

 

Fotos: Sandra Monteiro / Semsa

Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa): (92) 3236-8315

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse