Notícias

Professores das escolas do Rio Negro passam por formação em metodologia do ensino híbrido

Antes do início do ano letivo, marcado para a próxima segunda-feira, 9, os aproximadamente 120 professores de 29 escolas municipais no Rio Negro passaram por uma formação em metodologia do ensino híbrido, ministrada por profissionais da Divisão de Desenvolvimento Profissional do Magistério (DDPM) na manhã desta terça-feira, 3. Na atividade, os educadores aprenderam técnicas para tornar as aulas mais atrativas, utilizando ferramentas tecnológicas.

 

Para os professores da educação infantil, foram apresentadas três possibilidades de atividades. O uso do PowerPoint para a confecção de gráficos; utilização de sons, com o intuito de criar histórias e o Stop Motion, que usa massas de modelar para criar animações.

 

Para os anos iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) foi abordada a sequência didática, que prevê a observância de etapas na aprendizagem dos alunos, com ações colaborativas na construção do conhecimento. Já para os professores do 6º ao 9º ano, o foco foi na produção de textos literários, também utilizando os recursos tecnológicos disponíveis nas escolas.

 

Segundo George Souza, formador da DDPM, a metodologia híbrida possibilita a personalização da aprendizagem e estimula o trabalho colaborativo e construtivo em sala de aula.  A formação, segundo ele, foi elaborada especificamente para a DDZ Rural, levando em consideração os aspectos que diferem as escolas do campo, como a dificuldade no acesso à internet.

 

“A gente observa que os professores têm olhares diferenciados, com isso maneiras de se personalizar o ensino e a aprendizagem dos alunos. Essa oficina é importante para que o professor comece a observar e trabalhar com estímulos diferenciados, isso implica diretamente na aceleração do processo de aprendizagem de conteúdos, no trabalho colaborativo, num melhor aprimoramento de ideias, culminando numa aprendizagem dinâmica, evitando reprovações”, disse.

 

Experiência

A professora Maria Cristina do Amaral, da Escola Municipal Santo Antônio, na Comunidade Canaã, aprovou a metodologia do ensino híbrido. Em sua avaliação, a educação precisa criar atividades que chamem a atenção dos alunos, a fim de obterem bom aprendizado e os recursos tecnológicos são essenciais nesse processo.

 

“Para mim está sendo muito importante essa formação, porque até na educação do campo a tecnologia educacional é essencial. Apesar deles (alunos) morarem em áreas afastadas, quase todos têm celular e acesso á internet. Isso (tecnologia educacional) chama a atenção deles, eles aprendem melhor. Quando uso a lousa interativa eles gostam bastante”, contou.

 

Após a formação, a professora Valdileia da Silva, da Escola Municipal Mário Palmerio, na Comunidade São Francisco, já tinha em mente a atividade que irá desenvolver com seus alunos. Utilizando o Stop Motion, a educadora quer criar a história ‘O Barulho da Fruta Madura no Chão’, onde vai usar o limão para ensinar sobre o processo de plantação, alimentação saudável e as propriedades nutritivas do fruto.

 

“A questão aqui é ambiental, a ideia da plantação e do trabalho com a terra. Vamos mostrar que o limão tem muita vitamina C e é utilizado para o consumo de peixe. Ou seja, uma coisa vai chamando a outra. Vamos trabalhar a questão da leitura pela receita da limonada, a questão da quantidade de litros, que ensina a matemática. É tudo misturado. A oficina foi estimulo para eu criar isso”, falou.

 

Texto: Thiago Botelho

Fotos: Cleomir Santos / Semcom

Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Educação (Semed): 92 3632-2054

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse