Notícias

Procura por atividades físicas nas unidades esportivas da Prefeitura evidencia os profissionais da área

Cuidar e ajudar a promover saúde por meio de atividades físicas é o lema dos educadores físicos da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel). Todos os dias eles não medem esforços em promover o bem-estar, com técnicas e orientações para a boa prática esportiva ou recreativa, a mais de 3 mil pessoas, que procuram uma das unidades esportivas da Prefeitura de Manaus.

 

Nesta sexta-feira, 1/9, comemora-se o Dia do Profissional de Educação Física. A profissão está em evidência com a crescente procura das pessoas por saúde e qualidade de vida, por meio de atividades físicas.

 

A Semjel conta com 54 professores e 17 estagiários de Educação Física, que coordenam e executam eventos, programas e atividades como ginástica, futsal e natação para, aproximadamente, 70 mil pessoas por mês.

 

As atividades mais procuradas pela população, de acordo com o secretário da Semjel, João Luiz, são as modalidades de ginástica, com 1.578 alunos matriculados, futsal, com 1 mil alunos, natação com 500 praticantes e, aproximadamente, 1 mil participantes de atividades voltadas para a terceira idade. Todas coordenadas por profissionais formados em educação física.

 

“Temos a grande satisfação de parabenizar os profissionais de Educação Física da Semjel e de todo o Estado do Amazonas. É uma profissão que está crescendo, cada vez mais, além de ser importantíssima para a manutenção das atividades de esporte e lazer oferecidas pela Prefeitura de Manaus. Seguindo os direcionamentos do prefeito Arthur Neto, tivemos um aumento significativo de alunos. Isso tem contagiado até quem não pratica esporte em nossos Centros de Esporte e Lazer e nos eventos de rua”, ressalta o secretário João Luiz.

 

Profissional de Educação Física há 15 anos, o diretor de Esporte da Semjel, Alexsandre Barbosa, 36, vê com satisfação o crescimento da profissão em Manaus. “A procura aumentou muito, então a Educação Física acompanhou esse crescimento. Após o ‘boom’ do fisiculturismo nos anos 80, a população está mais ciente de que precisa ter um melhor condicionamento físico”, afirma.

 

Alerta

Especialista na área de rendimento, Barbosa é personal trainer há 12 anos e alerta para os cuidados daqueles que procuram o corpo perfeito a qualquer custo. “Não há milagre para o bom condicionamento físico. Você pode até perder 10 ou até 20 quilos em pouco tempo, mas não tem a garantia de que foi com saúde. Então é importante ter o acompanhamento de um especialista da área para que esses ganhos ou perdas sejam alcançados com saúde. A estética é consequência da saúde”, destaca.

 

Alexsandre também ressalta o trabalho desenvolvido nas unidades da Prefeitura para a população de Manaus. “A gente vê a Prefeitura de Manaus investindo na qualidade de vida da população, seja com academias ou com as nossas atividades diárias nos centros esportivos ou nos eventos de rua. Destaco ainda o nosso projeto Minivila de Portas Abertas que é nada menos do que a divulgação de tudo o que a gente realiza nos nossos centros”, pontua.

 

Diferente de Barbosa que já conta com uma carreira consolidada, a estagiária Marclecia Soares, 21, dá os seus primeiros passos na profissão e afirma ter escolhido o caminho certo. “Todo mundo tem aquela matéria preferida e o meu interesse pela Educação Física começou ainda no ensino fundamental. Eu nunca imaginei que fosse trabalhar na Semjel e está sendo muito bom trabalhar com aulas de ginástica, hidroginástica e com a terceira idade”, conta Soares que cursa o 6º período de Educação Física.

 

Atuante, Clycia, como é conhecida, aprendeu a dar aula de ginástica em um curso e se aperfeiçoou assistindo vídeos na internet. “Houve um curso fora da faculdade, eu fiz, gostei e procurei me aperfeiçoar. É o que gosto de fazer. Quero me especializar em gerontologia para continuar trabalhando com a terceira idade e espero voltar um dia para a Semjel como professora”, declara empolgada.

 

Profissionalismo

Na Semjel há histórias curiosas também. Os professores Ozenildo Silva, 55, e Meire Ette de Oliveira, 50, são casados há 34 anos e trabalham juntos há 12 anos na secretaria. Concursados pela Secretaria Municipal de Educação (Semed), mas cedidos para a Semjel, eles afirmam que a relação de casal não atrapalha na vida profissional.

 

“Nós somos totalmente profissionais. Somos acostumados a nos tratar com carinho em casa e aqui a nossa relação é profissional, não atrapalha em nada, só fortalece. Aqui a gente não fala dos problemas de casa e em casa não falamos sobre trabalho. Sabemos diferenciar”, afirma Meire que trabalha no núcleo de Atividades Especiais.

 

Um dos responsáveis pelo setor de eventos da Semjel, o professor Ozenildo conta como eles foram trabalhar no mesmo local. “A gente casou muito cedo, então combinamos de que quem passasse no concurso iria apoiar o outro. Como ela passou primeiro, eu continuei estudando até passar em 2007 e desde lá estamos trabalhando juntos”, explica o professor.

 

Hereditário

Filhas de um dos maiores nomes do esporte amazonense, Amadeu Teixeira, as professoras Gena, 61, e Rita de Cássia Alves, 59, trazem do berço o amor pelo esporte e pela Educação Física. Ambas são concursadas pela Semed, desde os anos 80, e trabalham na área de esporte antes mesmo de existir a secretaria de esporte.

 

“O interesse pelo esporte vem de nosso pai Amadeu Teixeira, vem de casa. Embora eu tenha passado para Direito decidi seguir na área do esporte. A minha relação com a Rita na secretaria é de extremo profissionalismo, aqui nós trabalhamos juntas há tanto tempo, desde que a Semjel não era nem Semjel. A gente fala alto, discute, mas em prol do bem-estar da população”, salienta Gena que trabalha no núcleo de Atividades Especiais da Semjel.

 

Responsável pelo núcleo Técnico Pedagógico, Rita lembra que o amor pelo esporte a fez largar a vaga em Medicina, para seguir carreira na Educação Física. “O único que me apoiou nessa decisão se chama Amadeu Teixeira. A minha mãe ficou sem falar comigo, o noivo entregou a aliança. Só ele me apoiou. Mas eu não me arrependo, amo o que faço e tomaria a mesma decisão quantas vezes fossem necessárias. Não há nada mais gratificante do que fazer a diferença na vida das pessoas, receber um obrigado e ser chamada de professora Rita”, finaliza.

 

Texto: Fábio Leite / Semjel

Fotos: Mauro Smith / Semjel

Disponíveis em: https://flic.kr/s/aHsm77cJmo

Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel): (92) 3248-8706

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse