Notícias

Prefeitura de Manaus dá início às ações de manejo fitossanitário nas árvores do Centro

A Prefeitura de Manaus deu início nesta terça-feira, 7, às ações de manejo fitossanitário nas árvores do Centro. A finalidade é impedir que elas sejam utilizadas como suporte e tenham pregos fincados nos troncos. A prática, além de danosa para as árvores, é enquadrada como crime ambiental, de acordo com o Código Ambiental do Município (Lei 605/2001).

 

O trabalho, desenvolvido pelas Divisões de Educação Ambiental e Corte e Poda da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), começou pela Avenida Eduardo Ribeiro. As ações acontecerão ao longo de todo o mês em outras vias que contam com arborização consolidada. Hoje, foram retirados 40 pregos, objetos pontiagudos e correntes com cadeado, de aproximadamente 15 árvores das mais de 40 vistoriadas.

 

O trabalho vem sendo realizado desde o ano passado e integra o conjunto de ações voltadas à conservação da arborização da cidade. Em 2016, 387 pregos foram retirados de árvores existentes no Centro Histórico, área onde está concentrado o conjunto arbóreo mais antigo da cidade. “Nosso objetivo é sensibilizar a população e fazer com que as pessoas que fazem esse tipo de prática repensem sobre sua atitude e se conscientizem de que estão fazendo mal fincando pregos, arames e barras de ferro nas árvores que só lhes trazem benefícios, como a sombra e o conforto térmico”, explica o chefe da Divisão de Educação Ambiental da Semmas, Raimundo Araújo.

 

Segundo Araújo, a ação vem surtindo efeito positivo. “Observamos que o número de objetos pontiagudos fincados reduziu desde a última ação, quando retiramos 138 pregos”, completou. O manejo atraiu a atenção dos pedestres. Eliza Tavares, 59, moradora do Conjunto Ajuricaba, na zona Centro-Oeste, ficou satisfeita com a ação. “Acho maravilhoso esse trabalho porque é uma forma de preservar o nosso meio ambiente e contribuir para nossa cidade ficar cada dia mais bonita”, afirmou. Natanael Gomes, 59, morador da Cachoeirinha, na zona Sul, trabalha numa banca de revista na Eduardo Ribeiro. Para ele, não cabe apenas à Prefeitura ter esse cuidado. “A população tem que se conscientizar e evitar esse tipo de agressão às árvores”, explicou.

 

Segundo o gerente de Corte e Poda da Semmas, Wellington Auzier, esse cuidado deve ser permanente, pois a perfuração causada pelos pregos acaba se tornando porta de entrada para microorganismos como fungos e bactérias, que podem causar danos às árvores e acelerar sua morte. “No trabalho de hoje, inclusive, identificamos uma árvore com processo de infestação de fungos bastante avançado e que exigirá a realização de poda para evitar risco de acidentes”, destacou Wellington.

 

O trabalho terá continuidade em outras áreas do Centro, a exemplo das ruas Afonso Pena e Sete de Setembro. No ano passado, além de pregos, foram retirados também pneus, placas, correntes, cadeados e até instalações elétricas. Algumas árvores tinham mais de dez pregos fincados para serem utilizados como “cabides”. Os técnicos também entregam panfletos com informações sobre os benefícios da arborização e como fazer plantios.

 

Causar maus tratos às árvores é crime ambiental, previsto no Código Ambiental do Município (Lei 605/2001) e pode render multas que variam de 51 a 250 Unidades Fiscais do Município (UFMs), o equivalente a R$ 4,7 mil a R$ 23,2 mil.

 

Fotos: Arlesson Sicsu / Semmas

Disponíveis em: https://flic.kr/s/aHskVHpdxP

Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas): (92) 3236-6684

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse