Notícias

Policlínicas da rede municipal são habilitadas para o diagnóstico do câncer de colo uterino

As policlínicas municipais Castelo Branco, no Parque Dez, zona Centro-Sul, e Antônio Comte Telles, no São José 3, zona Leste, foram reconhecidas como referência para o Diagnóstico e Tratamento de Lesões Precursoras do Câncer de Colo do Útero (SRC). A habilitação, estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS), credencia as duas unidades à realização dos exames de colposcopia e biópsia do colo uterino, atuando na prevenção e cura desse tipo de câncer.

 

O secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto, explica que a habilitação, além de ser o reconhecimento do trabalho de excelência realizado pelas policlínicas, vai garantir o custeio financeiro dos respectivos serviços, com recursos federais. Homero destaca que o câncer de colo de útero é o mais prevalente em mulheres do Amazonas e que o diagnóstico do câncer ou de lesões que o antecedem, em estágio inicial, é fundamental para o tratamento precoce e a cura.

 

Segundo o Instituto Nacional do Câncer, dentre os tipos de câncer, o de colo de útero é o que apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura. Especialistas consideram que, quando diagnosticado precocemente, o índice de cura pode chegar perto de 100% e pode ser tratado em nível ambulatorial em cerca de 80% dos casos.

 

“Para os técnicos e especialistas, que atuam por meio de equipes junto à rede de saúde do município, a habilitação das duas unidades de saúde é resultado do trabalho que elas desenvolvem. E é importante destacar que a oferta dos serviços tem sido suficiente como resposta às nossas demandas”, afirma a enfermeira Rita de Cássia, chefe do Núcleo de Saúde da Mulher, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

 

O credenciamento das duas policlínicas municipais para a realização dos exames de colposcopia e biópsia do colo uterino consta nas Portarias 2.583 e 2.584, de 29 de dezembro de 2016 do Ministério da Saúde.

 

A detecção precoce do câncer do colo do útero em mulheres sem sintomas, realizada por meio do exame citopatológico (Papanicolau) permite a identificação das lesões precursoras e da própria doença em estágios iniciais. Como consequência, favorece o começo do tratamento de forma mais rápida e a possibilidade real de cura em 100% dos pacientes diagnosticados com a doença.

 

No Brasil, estima-se que o câncer de colo uterino seja a terceira neoplasia maligna mais comum. É, também, a quarta causa de morte por câncer na população feminina.

 

Histórico

Desde 2011, a Semsa, por meio da área técnica de Saúde da Mulher, participa das ações de Prevenção e Controle dos Cânceres do Colo do Útero e de Mama no Estado do Amazonas, compondo inicialmente o Comitê de Intensificação dessas ações. Em 2012, a Secretaria passou a compor a Rede Oncológica e, a partir de 2013, juntamente com a Gerência da Rede de Cuidados Crônicos, entrou para o Grupo Condutor Estadual da Rede de Doenças Crônicas.

 

O Grupo Condutor elaborou o Plano Oncológico do Estado, aprovado pelo Ministério da Saúde, por meio da Nota Técnica 20/2014, que orienta as ações e fluxos para os dois tipos de cânceres. Além disso, a área técnica da Semsa participou da articulação que garantiu a implantação do Centro Qualificador em Ginecologia. O Centro funciona no Ambulatório Araújo Lima, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), instituição de ensino e pesquisa responsável pela certificação dos ginecologistas atuantes nos Serviços de Referência em Colo do Útero na capital do Amazonas.

 

Texto: Wilson Reis

Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa): 92 3236-8315

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse