Notícias

Itens de higiene e proteção são entregues a indígenas warao

O abrigo provisório mantido pela Prefeitura de Manaus, na zona Sul, para acolher indígenas venezuelanos da etnia warao, foi contemplado nesta quarta-feira, 24/6, com kits de higiene pessoal, baldes e mosqueteiros, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), integrante das agências internacionais da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Entrega de Ítens de higiene pessoal para Venezuelanos Refugiados 22/06/2020
Os espaços de acolhimento são administrados pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), e nas duas últimas semanas foram entregues nos seis abrigos provisórios, 226 mosqueteiros, 112 baldes e 226 kits de higiene pessoal (sabonete, creme dental, xampu).

 

O trabalho, em parceria entre as instituições que compõem o Plano de Ajuda Humanitária aos Refugiados Venezuelanos no município de Manaus, garante o acesso a itens básicos nesses espaços de acolhimento provisório e área de isolamento para indígenas venezuelanos da etnia warao.

 

De acordo com a diretora do Departamento de Proteção Social Especial (DPSE) da Semasc, Mirella Lauschner, a parceria entre o órgão e as agências internacionais da ONU se intensificou desde o início da pandemia, aumentando os esforços para evitar que o novo coronavírus pudesse se espalhar entre os refugiados, além de garantir direitos básicos aos indígenas warao.

 

“A parceria firmada ao longo dos 4 anos foi reforçada em tempos de pandemia. A ampliação dos parceiros tem sido significativa, para que possamos garantir e atender, de forma qualificada, as necessidades sociais mínimas e assegurar os direitos dessa população extremamente vulnerável”, ressalta Mirella.

 

De acordo com a assistente Sênior de Proteção do Acnur, Juliana Serra, a entrega dos kits é parte de uma estratégia de prevenção à Covid-19, para a comunidade refugiada e migrante em Manaus, que também contempla apoio direto a parceiros na gestão de espaços de acolhimento e atividades de comunicação com a comunidade.

 

“Dentro desse contexto de deslocamento e pandemia de Covid-19, o Acnur tem trabalhado para assegurar que todos os refugiados possam ter o direito de acessar os serviços essenciais de saúde pública e emergência. Para que possamos garantir proteção integral dessas pessoas no momento de pandemia, a prevenção é a chave nesta resposta. Isso engloba tanto a distribuição de kits de higiene, camas, colchonetes e outros itens básicos, quanto a realização de atividades de comunicação com a comunidade, mobilização e fortalecimento comunitário”, explica Juliana.

 

Ações 

Desde o final de 2016, a Prefeitura de Manaus, começou a atender os primeiros refugiados venezuelanos da etnia warao, que ocupavam o entorno da rodoviária de Manaus, com ações de saúde e assistência social. Em meio à pandemia do novo coronavírus, o trabalho de saúde integral junto aos indígenas venezuelanos tem sido intensificado pelo Plano Emergencial de Enfrentamento à Covid-19.

 

Além de receberem as três principais refeições do dia (café, almoço e jantar), os abrigos são assistidos por uma equipe multidisciplinar de técnicos da Assistência Social, como psicólogos, assistentes sociais, coordenadores de abrigos e cuidadores sociais.

— — —

Texto – Jéssica Rebello/ Semasc

Fotos – Leonardo Leão/ Semasc

 

Disponíveis emhttps://flic.kr/s/aHsmP1j4ys

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse