Notícias

Conjunto Mundo Novo recebe oficina de puff com garrafa PET

Começou nesta segunda-feira, 19/2, a oficina de reaproveitamento de resíduos sólidos oferecida pela Prefeitura de Manaus aos moradores do conjunto Mundo Novo, Cidade Nova, Zona Norte. O trabalho faz parte da estratégia de educação ambiental desenvolvida pela Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), visando estimular o reaproveitamento pela população e reduzir o descarte de resíduos nas ruas e igarapés da cidade.

 

A oficina repassará técnicas para a confecção de puffs, que servem como assento e peça de decoração doméstica, a partir da reutilização de garrafas PET, de formatos diferentes. As aulas acontecem pela manhã na sala 13 da Escola Municipal Nilton Lins, localizada na rua Beta, no conjunto Mundo Novo. As oficinas são gratuitas e serão realizadas durante três dias.

 

Além de decorativos, os puffs também servem como fonte de renda para quem os confecciona, já que podem ser vendidos. A oficina atende a uma solicitação feita pela própria comunidade, por meio de ofício encaminhado à Semmas. O técnico em Educação Ambiental do órgão, Joaquim Félix de Araújo Neto, instrutor da oficina, explica que para a confecção de um puff são necessárias pelo menos 80 garrafas PET, sendo 20 retas (tipo Baré) e as demais com o fundo boleado (Coca-cola). “Os puffs são feitos por meio de técnicas de encaixe e amarração das garrafas que repassamos durante a oficina”, explica.

 

Os participantes são estimulados a coletar garrafas PET para fazerem suas peças e contribuir com a melhoria da qualidade ambiental da cidade. O chefe da Divisão de Educação Ambiental da Semmas, Raimundo Araújo, lembra que ao mesmo tempo em que capacita as pessoas a produzirem objetos utilitários e até gerarem renda com eles, as oficinas repassam também conhecimento sobre o tempo de decomposição na natureza de resíduos como o PET e a importância da coleta seletiva.

 

“Uma garrafa PET lançada na rua, num terreno ou no igarapé leva até 200 anos para se decompor. Por meio da oficina, levamos as pessoas a refletirem sobre a importância da reutilização desse produto e como elas podem fazer para separar o resíduo e reaproveitá-lo”, afirma Araújo.

 

Além da oficina, a Divisão de Educação Ambiental da Semmas também realizou na escola uma formação de brigada de combate ao caramujo africano, com a participação de professores e pais de alunos. O Departamento de Gestão Territorial e Ambiental do órgão atuou ainda na colocação de placas de identificação de área verde, atendendo também solicitação da comunidade, atenta à importância de preservação do espaço protegido do conjunto.

 

Texto: Júlio Pedrosa /Semmas
Fotos: Divulgação / Semmas

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse