Notícias

Atualização cadastral da Atenção Básica terá auxílio de 195 bolsistas do Programa Bolsa Universidade

Para ampliar o cadastro das famílias e minimizar inconsistências cadastrais no e-SUS e subsidiar levantamentos de perfil epidemiológico e diagnósticos situacionais da população para a Estratégia Saúde da Família, a Prefeitura de Manaus chamou 195 bolsistas do Bolsa Universidade para trabalhar na atualização dos cadastros individuais e domiciliares de Manaus no Sistema de Informação da Saúde Básica (e-SUS).

 

Atualização cadastral da Atenção Básica terá auxílio de 195 bolsistas do Programa Bolsa Universidade

 

Os bolsistas participaram de reunião de integração, para a adesão ao projeto e orientações, nesta segunda-feira, 5/11, e passarão por treinamento técnico, a partir desta terça-feira, 6, até a próxima quinta-feira, 8, na sede da Escola de Serviço Público Municipal e Inclusão Socioeducacional (Espi), no bairro de Flores, zona Centro-Sul, coordenadora do Programa.

 

As atividades fazem parte da contrapartida prevista na legislação do Bolsa Universidade. “O beneficiário contemplado com uma bolsa de estudos não precisa devolver à Prefeitura o valor investido na sua formação, mas deve participar de projetos socioeducacionais, ambientais e culturais, prestando horas de serviço quando convocado”, explica Helder Câmara, diretor executivo de Educação e Tecnologia da Informação da Espi.

 

Os bolsistas irão atuar em Unidades Básicas de Saúde (UBS) das zonas norte, Sul, Leste e Oeste da cidade, auxiliando na inserção de dados no sistema e-SUS, do governo federal, a partir de dados coletados pelos agentes de saúde, segundo a técnica do Departamento de Atenção Primária da Semsa, Tarita Gadelha.

 

Implantado em 2014 pela Prefeitura de Manaus, o sistema e-SUS é uma base de dados que congrega as informações da atenção básica em nível nacional, explica Tarita. Para tanto, as equipes de Estratégia Saúde da Família em campo coletam dados individuais e domiciliares, que são inseridos na base de dados e podem auxiliar na tomada de decisão das ações de saúde para a população.

 

Contemplado com bolsa integral para o curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade, José de Souza, 44, destaca que o projeto traz uma oportunidade de conhecer na prática como funciona o serviço público. “Minha expectativa é de me qualificar e também contribuir um pouco com o serviço prestado à sociedade”, afirma.

 

Os bolsistas cumprem carga horária de 90 até 150 horas semestrais em projetos da Prefeitura de Manaus e recebem vale-transporte para o desempenho das atividades. “Quando o bolsista trabalha, essa carga horária é diminuída em 50% e buscamos inseri-lo em projetos de acordo com sua disponibilidade de horário”, esclarece a diretora de Ações Socioeducacionais da Espi, Luciana Reis.

 

A contrapartida prevista em lei é um compromisso que o bolsista assume que traz uma série de benefícios. “Participar desses projetos permite o contato profissional com o mercado de trabalho, certificação de horas complementares, treinamentos técnicos e, em alguns casos, até oportunidades de estágio”, finaliza Luciana.

 

Texto: Hariele Quara / Semad

Foto: Divulgação / Semad

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse