Notícias

Alunos das escolas da zona ribeirinha do rio Negro iniciam ano letivo

A Prefeitura de Manaus realizou nesta terça-feira, 7/1, a abertura do ano letivo das escolas da Secretaria Municipal de Educação (Semed) localizadas na zona ribeirinha do rio Negro. O evento aconteceu na escola municipal Canaã II, na comunidade Julião, Tarumãzinho (a 40 minutos de Manaus). No rio Negro são atendidos mais de 2 mil alunos em 29 unidades de ensino, nas modalidades da educação infantil ao 9° ano do ensino fundamental. O ano letivo da zona urbana de Manaus inicia no dia 5 de fevereiro.

 

Alunos 07.01.20.Abertura do ano letivo na zona ribeirinha

 

“Todo investimento na gestão do prefeito Arthur Virgílio Neto é voltado para a população com foco principal na educação, porque entendemos que a mudança da sociedade acontece por aí. Essa é uma ponte construída durante esses anos em que Manaus é comandada por ele. Essa escola é prova disso, porque aqui temos um prédio com uma boa infraestrutura e com professores qualificados”, disse a titular da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), Conceição Sampaio, que representou o prefeito no evento.

 

A secretária municipal de Educação, Kátia Schweickardt, participou do evento e falou que a diferença no calendário escolar não afeta a qualidade do ensino oferecido aos alunos da zona ribeirinha e que os mais de 11 mil alunos atendidos recebem a mesma qualidade de ensino que é oferecido na zona urbana de Manaus.

 

“O calendário escolar nas unidades de ensino do rio Negro é antecipado por questões ambientais, uma vez que o período de vazante não possibilita o transporte e dificulta o acesso dos estudantes às escolas durante a seca do rio. Assim, as aulas iniciam em janeiro, durante a cheia, e seguem até o mês de outubro, sem recesso escolar no meio do ano, garantindo o cumprimento dos 200 dias letivos. Isso foi ressignificado durante a gestão do prefeito Arthur Neto para melhor atender aos alunos. As crianças da zona rural participam de todas as estratégias pedagógicas da Semed e podem se orgulhar de fazer parte de uma educação de qualidade”, afirmou.

 

A secretária falou também que o transporte escolar oferecido aos alunos está garantido. Atualmente, a Semed trabalha com uma frota de 66 ônibus e 68 micro-ônibus na área rodoviária e 50 lanchas na condução dos estudantes ribeirinhos. “O ano letivo da zona rural e ribeirinha iniciam com toda a frota de transporte escolar funcionando, tanto as lanchas, quantos os ônibus com monitores. O poder público faz a parte dele, mas para que haja um bom resultado é preciso ter a parceria com a família”, destacou Kátia.

 

Pais, comunitários, professores, alunos e convidados foram surpreendidos com uma bela apresentação dos alunos da educação infantil e 1º e 2º do ensino fundamental que desenvolveram a “Dança do Saião” e ouviram as músicas executadas pela Orquestra Popular do “Abrigo Moacir Alves”, do projeto “Tocando Almas”.

 

Estrutura

A escola Canaã II funciona nos turnos matutino e vespertino, com quatro salas de aula e atende, aproximadamente, 61 alunos, nas modalidades de educação infantil e fundamental I (1º ao 5º) e fundamental II (6º ao 9º) com o Projeto Itinerante.

 

O aluno do 6º ano, Jonas Nolasco, 11, está muito empolgado com a volta às aulas e garante que este ano vai superar as dificuldades em Matemática e tirar boas notas. “Eu já estava ansioso para voltar a estudar e rever meus amigos. Este ano vou me dedicar mais aos estudos, principalmente em Matemática e me dedicar de verdade”, afirmou ele.

 

Atualmente, a Semed possui 83 unidades de ensino na zona rural, sendo 35 na rodoviária e outras 48 na ribeirinha, das quais 19 ficam em comunidades ao longo do rio Amazonas e as demais no rio Negro. Essas mais de 80 escolas atendem aproximadamente 11 mil alunos e contam com 583 educadores atuando nas mesmas. Dentre elas, duas trabalham com educação integral, sendo uma no rio Negro (escola municipal Professora Dian Kelly do Nascimento Mota) e outra na BR-174 (escola municipal Padre Calleri).

 

A Semed segue orientações do Programa Nacional da Educação do Campo (Pronacampo), por meio do Programa Escola da Terra, em parceria com Ministério da Educação (MEC). Além de outras instituições educacionais, em que são desenvolvidos os programas Dinheiro Direto na Escola (PDDE), Novo Mais Educação, Escola Aberta (PEA), Escola Acessível e Escola Conectada, além da elaboração do Projeto Itinerante, o qual é uma proposta educacional que atende em polos os alunos do 6º ao 9º, sendo cada um composto por duas escolas. Os professores atendem os alunos por um semestre, logo após esse período acontece a troca do profissional.

 

Texto – Érica Marinho / Semed

Fotos – Altemar Alcântara / Semcom

Disponíveis em – https://flic.kr/s/aHsmKyE6U1

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse