Notícias

Agentes da prefeitura atuam no levantamento de infestação do Aedes aegypti na capital

Um grande quintal, com muitas árvores e balanços feitos com pneus reaproveitados. Esse poderia ser um local com vários criadouros do Aedes aegypti, mas não foi o que os agentes de endemias da Prefeitura de Manaus encontram durante inspeção em um imóvel no Bairro da Paz, zona Centro-Oeste, nesta terça-feira, 23. Isto porque a cuidadora de idosos, Graciete Soares Mendes, 52, também tem o cuidado de recolher potenciais focos do mosquito, como folhas e embalagens, para proteger a família e vizinhos.

 

“Prevenção ainda é o melhor remédio. Se cada um fizer a sua parte, não teremos tanto sofrimento”, ressaltou Graciete durante a visita dos agentes que, segundo ela, é periódica. Esta em especial faz parte do primeiro ‘Diagnóstico de Infestação do Aedes aegypti’, da capital amazonense. Até o dia 10 de fevereiro, 300 agentes irão visitar 28 mil imóveis, identificando, coletando e eliminando larvas e potenciais criadouros do mosquito.

 

“O Diagnóstico de Infestação do Aedes irá cruzar dados deste levantamento realizado nos domicílios e os números de casos notificados e confirmados de febre zika, febre chikungunya e dengue”, explicou o chefe do Controle de Endemias do Distrito de Saúde da zona Oeste, Rubens Souza. “Com base no resultado, vamos executar ações de mobilização social, intensificando o trabalho em bairros apontados como prioritários”, concluiu.

 

Ainda segundo Souza, um dos entraves encontrados pelas equipes nas visitas naquela zona é o acesso em condomínios. “Entendemos a preocupação com a segurança, mas este é um trabalho que precisa ser feito. Até o dia 10 de fevereiro, nossos agentes estão nas ruas, identificados com uniforme, crachás. Os veículos com adesivos da Semsa. É fundamental a colaboração de todos para medirmos a população de mosquitos no município”, destacou.

 

Cuidado semanal

Durante as visitas os agentes de endemias irão reforçar, ainda, a importância de se observar, semanalmente, locais onde os mosquitos costumam depositar ovos. Caixas d’água, vasos de plantas, pneus, piscinas e entulhos de obras são exemplos desses espaços, que, se descuidados, podem servir de criadouros.

 

O titular da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Homero de Miranda Leão Neto, destaca que a verificação periódica de risco potencial em casas e residências é simples e rápida. “Bastam dez minutos de inspeção semanal de cada morador no seu quintal, nos locais onde estão guardados objetos nas residências, para que todos possam contribuir na luta contra o Aedes“.

 

De acordo com o secretário, a prevenção é a estratégia mais eficaz no controle das doenças transmitidas pelo Aedes. “E este, é um trabalho, que não pode parar. Precisamos evitar o agravamento dos riscos nos locais mais vulneráveis e o reaparecimento de condições favoráveis à proliferação do vetor onde os riscos já são pequenos”, disse.

 

FOTOS: Divulgação Semsa

Disponíveis em: https://flic.kr/s/aHskQXprgA

Depto. de Comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa): 92 3236-8315

Notícias relacionadas

Pesquisa Avançada

Utilize esta ferramenta para encontrar notícias de seu interesse